Ventura Informática Educacional

Notícias

O que é Informática Educacional?

Qual a diferença entre "Informática aplicada à educação", para "Informática Educacional", "Informática Educativa" e “Tecnologias Educacionais"?

Pergunta pertinente para se caracterizar o trabalho do professor em um laboratório de informática. Diferenciar "Informática aplicada a Educação" e "Tecnologias Educacionais" me parece mais simples:

Informática aplicada a Educação: a informática é utilizada para o gerenciamento da escola: relatórios de notas, de acompanhamento de alunos, de secretaria, do acervo de uma biblioteca escolar, etc.

Tecnologia Educacional: não se restringe ao uso do computador. Usa também a TV, cinema, DVDs, rádio, fotografia, livros, robótica. Aqui vale indicar o que pensa Carlos Seabra, para que nos sirva de alerta:

Como contraponto ao conceito de tecnologia podemos mencionar o Kuwait: um paà­s que pode comprar os computadores mais potentes, os carros mais velozes, os videocassetes mais modernos… mas que não sabe construir ou sequer consertar qualquer um deles. O inverso disso é Robinson Crusoé, o do clássico de Daniel Defoe: de mãos nuas, escapado de um naufrágio, reproduz em sua ilha deserta toda a tecnologia da época, usando apenas seu conhecimento e a vontade de transformar a realidade. Na educação (e também em outros setores) essa distinção é fundamental, pois não há máquina que substitua o professor - e quando isso ocorre é porque o professor o merece. Tecnologia educacional é, por exemplo, usar uma lata de água, um pedaço de madeira e uma pedra para explicar a flutuação dos corpos; em contrapartida, apertar a tecla de um và­deo sobre o assunto e deixar os alunos o assistirem passivamente, nada tem de tecnologia.

Já a diferenciar Informática Educativa e Educacional depende da concepção que se tem da utilização do computador na escola. Entendo, baseada na minha vivência como professora em um laboratório de informática e no que tenho observado, que:

Informática Educativa: a informática é mais uma disciplina integrada ao currí­culo. Ensina-se, por exemplo, linguagens de programação e a utilizar os softwares do Office. Na maior parte dos casos não há preocupação de integração dessas aulas com outras áreas de conhecimento. Ou nos casos em que se busca a interdisciplinaridade, raramente há o envolvimento de um professor especialista daquela(s) disciplina(s) no planejamento da atividade. Dentro dessa concepção, o computador também é utilizado para que o aluno tire suas dúvidas sobre determinado conteúdo: o laboratório tem um acervo de softwares de educativos, de tutoriais, de livros multimí­dia, exercí­cios de reforço, ou seja, o computador é utilizado como máquina de ensinar. Os responsáveis pelos laboratórios são geralmente os especialistas em informática.

Informática Educacional: a informática é utilizada como um recurso, uma ferramenta para a construção de conhecimento. A principal forma de trabalhar é através de projetos, webquests, webgincanas, projetos colaborativos entre escolas geograficamente separadas, enfim, atividades planejadas sobre determinados temas, ou conteúdos didáticos de uma disciplina. Os alunos elaboram seus trabalhos utilizando softwares como os do Office, recursos de WEB 2.0 como blogs e wikis, ou até mesmo linguagens de programação. Para coleta de dados ou busca de informações utilizam os recursos disponí­veis que podem ser bancos de dados, a web, participação em listas de discussão, fóruns.

Além disso, o computador também é explorado, como descreve Hermà­nio Borges Neto:

(…) pelo professor especialista em sua potencialidade e capacidade, tornando possível simular, praticar ou vivenciar situações - podendo até sugerir conjecturas abstratas -, fundamentais a compreensão de um conhecimento ou modelo de conhecimento que se está construindo.

Enfim, na Informática Educacional as atividades propostas e os recursos oferecidos ao aluno são pensados de forma a promover uma aula que não poderia ocorrer da mesma forma, ou até melhor, sem utilizar o computador.

Sou uma defensora da presença de um professor responsável pelo laboratório de informática e que tenha perfil de especialista em informática educacional e com formação em educação. Para que trabalhe em parceria com os professores dos diversos ní­veis da escola infantil e fundamental 1 e com os professores especialistas das diversas áreas do conhecimento. Assim, os alunos estarão aprendendo a utilizar a informática (uma necessidade para o mundo do trabalho) e ao mesmo tempo sendo orientados sobre onde e como buscar a informação e o que fazer com essa informação.

Para que a informática seja utilizada como um bom recurso no processo de ensino-aprendizagem, para que aconteça uma real transformação nas formas de ensinar e aprender, é preciso que as escolas estejam atentas a esses "pequenos detalhes".

Fonte: http://miriamsalles.info/wp/?p=132

<< voltar

Uso da tecnologia no ensino

Informática EducacionalInformática Educacional
Uso da tecnologia como recurso didático ajuda a enriquecer o processo de aprendizagem

Projetos PedagógicosProjetos Pedagógicos
Ambiente de aprendizagem onde os alunos possam ter iniciativas, elaborar projetos

ContatoNossa Localização
Conheça nossa empresa, nossos projetos pedagógicos, agende uma visita.

Projetos Pedagógicos

Educação InfantilEducação Infantil Ensino FundamentalEnsino Fundamental Ensino MédioEnsino Médio EducadoresEducadores PaisPais

Notícias

Transforme a internet em um aliado da Educação
A maioria das escolas já demonstra preocupação em ensinar a seus alunos como tirar o melhor proveito possível da internet. Umas das grandes questões a que se deve ficar atento é saber se seu filho consegue gerenciar a quantidade de informação a que tem acesso através da internet.

BULLYING - Quando a adolescência é violenta
Como muitos, eu também sofri bullying na escola. Tímido e franzino, eu, junto com alguns outros nas escolas que frequentei, éramos vítimas de puxões de cabelo, empurrões, ameaças, chutes e outras humilhações. O mais irônico disso é que só sofri bullying em escolas particulares.

O que é Cyber Bullying?
Vítima de algum valentão (bully em inglês). A Internet fez com que o bullyng não dependesse mais da valentia, pois passou a ser feito no anonimato e até pessoas bastante covardes podem estar por trás de ações envolvendo cyber bullying.